Tradução

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Seja sua própria financeira


No post anterior falamos sobre dívidas boas porem mesmo assim continuamos pagando juros para alguém ou para alguma instituição financeira, agora que tal ser sua própria financeira?

Como pagar o bem, e ainda terminar o financiamento com mais dinheiro que começou? Pagando juros para você mesmo, não se ganha dinheiro somente com trabalho ou com investimentos financeiros, é possível ganhar mais com uma pequena mudança de paradigma. Nesse caso os juros estão a seu favor, quanto maior o financiamento maior será seu ganho.

Exemplo 1: Digamos que você deseja comprar uma televisão nova de 40 polegadas no valor de R$2000,00 e a loja dispõe de um parcelamento em 10 vezes de R$200,00. Porem você não possui dinheiro em caixa para comprar a tv e sim em investimentos. Como você é uma pessoa instruída financeiramente em vez de se render a praticidade do parcelamento ou também não ter que esperar até juntar o valor para comprá-lo a vista, irá fazer um empréstimo a seus investimentos pagando os mesmos juros cobrados pela loja.

Ao comprar o produto a vista você negociará um desconto que normalmente gira em torno de 5% ou seja, comprará a Tv por R$1900,00 ganhando R$100,00 no ato da compra. A segunda etapa do financiamento é pagar a dívida, a diferença é que você irá pagar as prestações a você mesmo, depositando mensalmente a parcela emprestada  pelo seu investimento. Agora que começa a grande vantagem, ao depositar a parcela mensal, esta renderá juros a cada mês e aumentará ainda mais fazendo seu lucro crescer.

Digamos que seu investimento seja uma poupança e que em dez meses tenha gerado aproximadamente 4% de juros compostos ao ano (0,40% ao mês), sua manobra financeira terá gerado um resultado aproximado de 7,02% ao final do financiamento de dez meses.


Desconto A vista Parcelas Poupança Total
Porcentagem 5% 0% 4% 7,02%
Valor -1900,00 10 x 200,00 -1900,00 0,00
Ganho +100,00 +2000,00 +40,46 2140,46
Lucro 140,46


Este valor supera o rendimento de várias aplicações agressivas cujo valor mínimo é muito mais alto que o valor gasto por você e seu investimento além de gerar um ótimo retorno estará livre de risco com qualquer montante que deseje fazer.

Exemplo 2: Na comprar de um automóvel de R$50.000,00 com entrada de R$10.000,00 em 36 prestações de R$ 2.083,42 a juros de 2,27% ao mês, porem comprando a vista terá um desconto aproximado de 5% restando o equivalente á R$ 47.500,00 e ao se pagar as parcelas terá um retorno de 66,08% (22,02% ao ano) e um lucro de R$33.044,08 além dos R$50.000,00 que já possuía. Vale lembrar que ao financiar o automóvel por uma instituição a mesma cobrará juros além do valor como mostrado na tabela abaixo.


Desconto a vista Parcelas Poupança Imposto Total
Porcentagem 5% 50% (2,27%/mês) 15% (5% / ano) (15% lucro)/ano 66,08%
Valor -50.000,00 36 x 2.083,42

0,00
Cálculo +2.500,00 +75.003,12 +6.457,96 -917,00 83.044,08
Ganho +2.500,00 +25.003,12 +6.457,96
33.044,08
Lucro 33.044,08


Repare que nesta forma de financiamento existem ganhos nas três etapas, na comprar do produto devido ao desconto obtído pelo pagamento a vista (R$2.500,00), no pagamento das parcelas já que o juros estão retornando para você e não para uma instituição financeira (R$25.003,12) e o próprio juros do investimento nesse caso a poupança (R$6.457,96) e mesmo tendo pago imposto sobre esta transação seu lucro será ainda mais significativo. Após terminar o financiamento estará mais rico e com o bem desejado, caso queira trocar de carro novamente poderá comprar um modelo muito melhor (mais caro) e mesmo assim ainda estará ganhando dinheiro.

Siga esse conceito para qualquer gasto fixo (condomínio, escola dos filhos, academia, aluguel, etc.) ou parcelamento (Apartamento, eletrodomésticos, veiculo, viagens, etc.) e terá cada vez mais dinheiro, vale lembrar que é extremamente importante que deposite as parcelas na íntegra,  pois é normal ver muitas pessoas se boicotando, arrumando motivos para não devolver esse investimento ao seu devido lugar. Lembre-se este foi um empréstimo tomado como outro qualquer e que deve ser pago!

Antes de fazer qualquer gasto primeiro calcule seu retorno e compare se sua aplicação pode superá-lo,  caso seu retorno seja menor que o seu investimento existente não compre, pois estará perdendo dinheiro.  Junte as parcelas e só depois compre o bem a vista.

Isso não significa que você deve sair comprando tudo que vir pela frente,  pois além de ter que pagar as parcelas ainda terá seus gastos mensais e pessoais.

Lembre-se dinheiro é feito para se gastar, mas com sabedoria!

Vale lembrar que no cálculo devem ser incluídos os valores de impostos cobrados na retirada da aplicação,  já que independente de quando seja feito o saque, sempre serão cobrados os impostos podendo fazer grande diferença dependendo da aplicação utilizada. Recomendo retirar de poupança devido à baixa tributação, por isso a importância de investimento de curto, médio e longo prazo.

Fonte: nesta simulação foram utilizados valores de financiamento disponíveis na internet (http://www.simuladorfinanciamento.com/outros/calcular-prestacao) e que os percentuais estão constantemente sujeitos a mudança.  O objetivo dos dados coletados e utilizados  foram somente para exemplificar o conceito descrito neste post.


Um comentário:

  1. Ótimas idéias pra se ganhar comprando! Valeu pelas dicas!
    Rogerio

    ResponderExcluir